terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Por que cortar cebola nos faz chorar?

 Cortar cebola não é nada agradável. Em alguns casos, a irritação dos olhos é tão intensa que fica impossível continuar. Isso acontece porque, quando cortamos a cebola, rompemos suas
células, o que faz com que determinados sulforetos e enzimas se combinem, originando o ácido sulfénico. Este ácido é o responsável pelo nosso “choro”, porque ele evapora e entra em contato com nossos olhos, os quais reagem produzindo lágrimas, na tentativa de limpar a irritação.
 A cebola é natural do Sudoeste da Ásia. A sua utilização estendeu-se à Índia, China, Médio Oriente e Norte de África. Os Egípcios consideravam-na sagrada e, com o inseparável alho, constituía o alimento dos escravos que construíram as pirâmides (Que outros insondáveis segredos terão sido levados para aqueles túmulos?...). Havia povos que lhe punham sal e comiam com pão. Os Mediterrânicos também ficaram rendidos ao seu paladar. Adquiriu elevado valor comercial e chegou a servir de moeda de pagamento de rendas na Europa medieval. Os soldados, em plena frente de batalha, consumiam-na, por ser fonte de vigor.

Muitas pessoas desenvolveram uma certa aversão à cebola, porque o seu manuseamento provoca lágrimas. Contudo, e apesar desse inconveniente do processo de debulhar e cortar, não se pode prescindir dela para a maioria dos pratos que se confeccionam, mesmo os mais simples.
Independentemente da “raça”, a cebola é rica em fósforo, ferro, cálcio e vitaminas A e dos complexos B e C. Quando crua, apresenta vários benefícios: purifica o sangue e o fígado de substâncias tóxicas, que são eliminadas através dos rins; abre o apetite (bem, isto só é uma vantagem para alguns…); age contra a prisão de ventre; protege contra as infecções do aparelho digestivo; diminui o nível de açúcar (glicose) em circulação, pelo que é aconselhável a diabéticos; ajuda em casos de asma brônquica e problemas respiratórios; reduz o índice de triglicéridos; é boa para o coração, e, deste modo, favorece quem padece de doenças do foro coronário; auxilia em situação de enfermidades renais ou hepáticas, e constitui um elemento preventivo do cancro do estômago.

Se for colocada sobre um nariz a sangrar, estanca a hemorragia. Por outro lado, o chá de cebola com mel revela eficácia contra constipações, tosse, bronquite e asma. Já o sumo, aplicado directamente na pele, cura as picadas de insectos em geral. Lá vão as indústrias farmacêuticas encabeçar um protesto contra a concorrência desleal da cebola




Takaya16