sábado, 3 de março de 2012

Tudo sobre saquê!



Se você é daqueles que pede caipirinha de saquê em um bar, saiba que isso é considerado um sacrilégio do outro lado do mundo! Para os japoneses, a bebida, assim como tudo derivado do arroz, é sagrada. Antigamente, era consumido somente em ocasiões especiais e dedicada aos deuses xintoístas.




O saquê ainda tem muita importância simbólica nas comemorações mais cotidianas da vida japonesa, principalmente em casamentos e nas celebrações de nascimentos. No Ano Novo toma-se o tosozake, uma mistura de ervas medicinais chamada toso dissolvido em saquê, que se acredita ser bom para a saúde e trazer boa sorte.



O saquê é feito a partir da fermentação do arroz e pode ser encontrado em dois tipos ¿ o futsuu shu e o jizake. O primeiro é uma denominação genérica para os saquês produzidos em grande escala. Já o jizake é a bebida produzida em destilarias familiares, em pequena escala. A gradação alcoólica varia de 16% a 20%.



Os saquês futsuu shu são divididos em 6 tipos:



- Junmai shu - mais puros, sem aditivos
- Honjozo shu - recebem um pouco de álcool
- Ginjo shu - no processo de produção o arroz é polido para conservar não mais que 60% da forma original do grão
- Daiginjo shu - no processo de produção o arroz é polido para conservar não mais que 50% da forma original do grão
- Namazake - o "saquê cru": é o saquê não pasteurizado (todos os demais tipos são), que deve ser conservado em geladeira
- Nigorizake é o saquê não filtrado (os outros tipos são)



Há ainda um outro tipo de saquê, o mirin, conhecido também como vinho de arroz, devido sua baixa gradação alcoólica de 14%. Mais doce que os outros, o mirin é utilizado na culinária.



Para melhor apreciar o sabor, use copos apropriados que realçam a qualidade da bebida. Existem dois tipos de copo para tomar o saquê. O mais tradicional é uma tacinha rasa feita em laca ou porcelana que corresponde a um gole de saquê, do tempo em que a bebida era confiada a serviçais especiais que serviam seus senhores dose por dose, literalmente. O mais comum hoje em dia tem formato de cubo, também feito em laca ou madeira.




A bebida pode ser consumida gelada no verão e morna no inverno. Os apreciadores mais tradicionalistas tomam o saquê na temperatura ambiente. A ocasião ideal seria no telhado de uma casa, numa noite de lua clara, para escrever haiku (poesia típica japonesa) e ver as estrelas.

Curiosidades sobre a degustação

Enquanto para se provar vinho, basta uma simples taça e não mais que meia dúzia de palavras para classifica-lo, o saquê tem uma infinidade de recepientes para ser tomado, conforme a região do país e a ocasião a ser celebrada. Só para expressar suas opiniões numa degustação de saquê, os especialistas têm a disposição um vocabulário com mais de noventa palavras, em sua maioria desconhecidas do público.

Uma sessão de degustação de saquê começa com uma regra fundamental: durante a reunião, só se pode falar em saquê.


As paredes da sala devem ser de cor creme claro e com janelas de face norte para aproveitar a luz natural do sol, no entanto, o saquê não deve estar sob exposição direta do mesmo. O horário de degustação sempre é entre às 10 e 11 horas da manhã, quando o sol ainda não está forte e os técnicos já fizeram a digestão do café e ainda não almoçaram. Não se degusta saquê com estomâgo cheio. A bebida é servida em temperatura ambiente, à cerca de 20ºC.


O copo usado é de porcelana branca com dois círculos azuis no interior, denominado de olho-de-cobra. Os círculos coloridos servem para que os especialistas avaliem a transparência da bebida, enquanto o fundo branco, é utilizado para observar a cor do saquê.


Existe um ritual especial à mesa para tomar o saquê. Levante o seu copinho para receber a bebida, servida sempre por seu vizinho de mesa, apoiando-o com a mão esquerda e segurando-o com a direita. É imprescindível que você sirva o seu vizinho de mesa porque não é de bom tom servir a si próprio. O copo de saquê deve sempre ficar cheio até o final da refeição. A tradição manda fazer um brinde, Campai, esvaziando o copinho num só gole. É sinal de hospitalidade e atenção.

Takaya16